domingo, 16 de outubro de 2011

A fé pelos olhos de uma criança. Pregadores mirins roubam a cena em igrejas evangélicas

O missionário Mateus Moraes de apenas 13 anos já rodou o Brasil e parte do mundo com seu trabalho

foto: Leonardo Quarto

Mateus Moras em pose de artista

Mateus Moraes é uma criança de 13 anos. Um garoto sério e compenetrado. Ao lado do pai, Juanez Moraes, usa com cuidado as palavras e cada gesto parece premeditado. Diferentemente da maioria dos meninos da sua idade, passa boa parte de seu tempo discursando. Como todo bom orador e apesar da pouca idade, tem a desenvoltura e a eloquência típicas de quem está acostumado a falar em público. A roupa, os acessórios e a forma como pede para ser fotografado indicam: Mateus, um pregador da igreja evangélica pentecostal Assembleia de Deus, é uma estrela.

O adolescente é um dos mais conhecidos pregadores-mirins do país, crianças que desde muito cedo assumem o púlpito de igrejas, geralmente lotadas, e realizam a pregação do culto como adultos. Entrevistas para ele não são um desafio. Em sua mais recente passagem pelo Estado, na última terça-feira (11), para um culto especial para o Dia das Crianças da Assembleia de Deus de Carapina, na Serra, responde a cada pergunta com propriedade e segurança. O jovem pregador não sabe quantas vezes já teve seu trabalho questionado, mas, para defendê-lo, possui argumentos na ponta da língua.

Mateus fez suas primeiras pregações aos seis anos de idade, na Assembleia de Deus de Madureira, um tradicional bairro do subúrbio do Rio de Janeiro. Hoje, apenas sete anos depois do início da carreira, o jovem missionário, como ele mesmo se define, faz em média 300 apresentações por ano em todo o Brasil e já conhece quatro países. Nos últimos meses, esteve nos Estados Unidos, na Europa e foi um dos personagens de um documentário do canal fechado National Geographic. Para o próximo ano, tem convites para ir ao Japão e a África do Sul.

Mateus não é o único que começou a pregar muito cedo. É só realizar uma rápida busca pela internet para encontrar uma série de vídeos com crianças pregadoras espalhadas por todo o mundo. Como exemplo podemos citar Adriana Andreassa, também da Assembleia de Deus, mas de Belém, e o americano Terry, considerado o pregador mais jovem do mundo. Veja o vídeo abaixo:


Talento e treino

foto: Leonardo Quarto

Mateus Moraes e o pai, Juanez, em momento de fé antes da pregação do jovem

Mateus manifestou disposição para pregar aos dois anos de idade. Segundo ele, o que faz hoje é um misto de talento e muito treino. Além do dom que diz ter recebido de Deus, ele conta que teve a orientação do pai e do pastor da igreja que frequenta em Madureira para desenvolver o trabalho.

O missionário afirma ainda que, sem o investimento necessário, não é possível sustentar nenhum talento. O investimento a que ele se refere foi feito pelos pais e resultou em um CD musical e em um número impreciso de cópias das pregações feitas pelo Brasil. "É importante acreditar no sonho e seguir. Não sei ao certo o número de CDs e DVDs. Acredito que tenho uns 40 DVDs de pregação", estima Mateus.

Mateus faz questão de destacar ainda a ajuda que recebeu do presidente da Assembleia de Deus de Madureira, o pastor Abne Ferreira. Foi ele quem acreditou em Mateus e incentivou o trabalho como pregador. Juanez Moraes, pai do missionário, vai além e compara o pastor ao treinador da Seleção Brasileira de 1958, Vicente Feola, que teve coragem de lançar Pelé, então com 17 anos e que depois se transformaria no nosso maior craque de futebol, na final da Copa do Mundo daquele ano.

Quanto custa?

As passagens, a hospedagem e a alimentação de Mateus e da família não saem de graça. Tudo é custeado pela congregação que convida o jovem pregador. Além destes custos, existe também uma "oferta", que as igrejas pagam a Mateus e ao pai - quantia que eles preferem não revelar. "Algumas vezes mandamos DVDs e eles vendem, mas geralmente somos agraciados por ofertas. Além dos gastos com hospedagem, alimentação e transporte. Não temos um valor fechado. Oferta é oferta, funciona como um presente", detalha o pai.

foto: Leonardo Quarto

Assembleia de Deus lotada nos dia das crianças momentos antes da pregação de Mateus Moraes

E a criança
?

Mateus garante que não deixa de fazer nada por causa da igreja, mas pondera que leva uma vida regrada. "Vou à escola, tenho amigos. Mas, quando a gente escolhe seguir o chamado de Deus, é claro que alguma coisa muda. Toda o dia a dia começa a mudar, inclusive a personalidade. Sempre que posso aproveito o máximo da minha infância", conta.

Nas horas vagas, joga videogame e futebol. Assim como faz nos púlpitos, com o microfone nas mãos, ele diz que no futebol joga de atacante e gosta de ir para cima dos adversários. O pequeno missionário não afirma porém que é bom de bola, diz que está aprendendo e treina toda semana na escolinha de futebol do Flamengo.

Além de ir ao futebol e frequentar a escola, onde devido às constantes viagens precisa de ajuda de professores particulares e dos amigos para não perder a matéria, Mateus dedica uma parte do dia ao estudo da Bíblia. Ele diz que pelo menos uma hora diária é exclusiva para estudar a palavra.

"Jesus falou que teríamos aflições, mas que era para termos bom ânimo"

foto: Leonardo Quarto

Mateus Moraes não teme críticas que pode receber pelo trabalho desenvolvido


E é citando a Bíblia que Mateus responde aos que apresentam algum preconceito ao seu trabalho ou mesmo não acreditam nele. Sobre a rejeição que sofre, apenas como missionário, Mateus destaca que como criança nunca passou por uma situação dessa. "Todos que têm uma chama de Deus vão ser rejeitados, vão passar por dificuldades. É assim. Existem pessoas que admiram meu trabalho e pessoas que não. Sempre vai haver um grupo que me rejeita. Mas temos que levantar a cabeça. Eu não ligo. Daqui a 10 anos vamos ver quem deu valor à vida e o que cada um construiu. Aos olhos do mundo, o que eu estou construindo pode parecer feio e bocó. Mas daqui a alguns anos vamos observar onde cada um está", defende.

Mateus também enfrenta a desconfiança em relação as suas reais intenções como pregador. "Aos que não acreditam em mim recomendo que leiam a Bíblia onde Deus diz que escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios e as coisas fracas para envergonhar os fortes. Diria a essas pessoas que não vou pagar por acusações que vierem contra mim. Diria também para lerem a Bíblia antes de me julgar. Até porque Jesus falou que da mesma forma que julgamos vamos ser julgados", explica.

Na igreja, Mateus emociona fiéis

Durante a pregação do Dia das Crianças, na Serra, Mateus era a atração principal e foi o último a falar com o público. Na pregação, assim como em outras apresentações, ele cativou os dois andares da igreja, completamente lotados de crianças e jovens. Confira abaixo, no vídeo, alguns momentos.






Uma das organizadoras do evento, Adriana Kurtt, diz que descobriu Mateus na internet. "Gostei da mensagem, da forma como fala e dai surgiu a ideia de chamar ele para pregar neste dia especial. Sempre trazíamos uma boneca, um adulto. Este ano resolvemos trazer uma pessoa diferente, mais ou menos da idade das crianças para falar de Jesus", explica.

Ao que parece, a atração agradou. O vendedor Ronei Soares relata que é muito interessante ver um adolescente falando a palavra de Deus desta forma. Ele diz também que não vê problemas em uma criança pregar da forma como ele prega. "Torço para que o senhor ilumine ele cada vez mais. Deus usa quem quer. Ele não escolhe, a obra é dele. O menino é apenas um instrumento utilizado, mas quem fala é o Senhor", acredita.

Para teólogo e pastor, moderação e experiência pesam contra Mateus

"Pregação é a exposição da escritura, é a palavra de Deus.
Como uma criança de oito, dez, anos vai conhecer a palavra de forma
suficiente para expor ela. Ou mesmo para ser um obreiro aprovado?
Acho que essa prática não deve ser recomendada na igreja", Hernandes
Dias Lopes, pastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Vitória.

foto: Leonardo Quarto

No púbito da igreja, Mateus Moraes usa o microfone com desenvoltura

Mas a pregação, como se vê, não é unânime. Para o pastor Hernandes Dias Lopes, da primeira Igreja Presbiteriana de Vitória, e também diretor executivo da Liga para o Caminho (LPC), entidade evangélica nacional responsável por realizar uma série de programas de rádio e televisão religiosos, o caso é mais sério. Ele reconhece que pessoalmente nunca viu uma criança pregar ou assumir a responsabilidade por um culto, mas se diz preocupado com esse fato.

Hernandes explica que para usar a palavra é preciso conhecê-la e acredita que uma criança dificilmente possui essa experiência. "Na minha visão, uma criança de seis anos, por mais precoce que seja, não tem o conhecimento necessário para pregar. Ela pode até testemunhar, contar alguma experiência que tenha vivido, mas assumir a pregação é complicado", relata.

Já o teólogo e professor de Filosofia Vítor Rosa defende que a participação de crianças em atividades litúrgicas é positivo para a criação delas. Para ele, esta é uma forma de inserir os pequenos em um processo de formação ético e religioso mais profundo. "É fundamental quando as igrejas incentivam o trabalho das crianças nesse trabalho de evangelização", diz.

Contudo Rosa lembra que tudo deve ser feito com critério e que as atividades da igreja não podem sobrepor os afazeres naturais de uma criança. "É necessário ter uma justa medida para que a religião não gere uma sobrecarga de trabalho na vida deles. Isso deve ser planejado e programado. Temos que lembrar que essas pessoas não podem perder sua identidade como criança", explica.

LEONARDO QUARTO - GAZETA ONLINE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Páginas